segunda-feira, 4 de julho de 2011

Digestão difícil


Gasóleo desce pr’á semana
O peso na consciência não
Mas que situação desumana
Sobe o preço do leite e pão

Neste sobe e desce infernal
Poupa cêntimo quem passeia
Já para a alimentação matinal
Rouba-se um pouco da ceia

Estômago entrou em recessão
Mas compreende a austeridade
Agência de rating é impiedosa

E baixou o rating da digestão
Que pr’a cumprir a actividade
Se faz de forma mais vagarosa.

2 comentários:

pekenasutopias disse...

Pede parecer mentira
Mas garanto que é verdade;
Uma embalagem tão gira
Até nos cura a saudade!

E, com alguma surpresa,
Posso mesmo adiantar
Que a digestão ficou "presa"
E que eu nem queria almoçar...

Dói barriga e dói cabeça,
Tenho febre e tenho frio
Mas ainda vou escrevendo...


Mas que ideia será essa
Que provoca um arrepio
Que eu nem sequer compreendo? :))

M. João


Poeta, com as agências de rating nem o Eno nos pode valer! Sabe o que me assusta mais - não é bem assustar, mas é parecido... - nos seres humanos? É essa sua inconfessável capacidade de se desmaterializarem enquanto seres vivos para se transformarem em fórmulas mágicas dos interesses exclusivamente económicos. É perfeitamente aterrador e, para cúmulo, acreditam piamente no que fazem...

Abraço grande!

Prof Eta disse...

“Godnomics”

Esta depressão que nos anima
Nestes tempos tão materialistas
Os seres humanos dão nas vistas
E diferença pr’o robot é mínima

É certo que um robot deprimido
Não se anima como o ser humano
Ele permanece triste e inumano
Mesmo que tome o comprimido

Ao humano basta a pastilha tomar
Para que o caso mude de figura
Como resultado da transformação

Em absoluto passa a acreditar
No Deus da economia que perdura
Ele que indicará a via da redenção.